Nova Parceria - Primavera Editorial


Alinhada ao conceito de “butique de livros”, a Primavera Editorial adota como proposta  associar a leitura ao entretenimento e lazer qualificado – assim como o cinema, teatro e artes plásticas. 


Criada na primavera de 2008, a editora possui um catálogo peculiar, composto por obras de autores nacionais e estrangeiros que têm por linha mestra a produção de uma literatura moderna e de qualidade ímpar, que evoca hábitos e costumes de diferentes povos e épocas; uma literatura instigante e criativa, que se transforma em uma maneira lúdica e pouco convencional de entender melhor a influência das culturas na formação dos povos. 


O portfólio da editora é composto por títulos de FICÇÃO que oferecem aos leitores a possibilidade de viver emoções que não fazem parte do enredo cotidiano. No selo BIZ, o destaque recai para obras relevantes para a gestão de negócios e que oferecem aos leitores a possibilidade de inovar, repensar e alavancar resultados corporativos. O selo EDU – uma alusão à palavra inglesa education, associada à educação continuada – investe na publicação de obras de não ficção que oferecem aos leitores possibilidades de reflexão, aprendizado e aplicação de conceitosCom o selo PSI, a Primavera Editorial lança obras técnicas que oferecem aos leitores das áreas de psicologia e psicanálise a possibilidade de crescimento, reflexão e aprendizado continuado. 

     
Capa_-_A_Cidade_Perdidalivraria_cultura
http://www.primaveraeditorial.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=478&Itemid=286

http://www.primaveraeditorial.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=154&Itemid=241

http://www.primaveraeditorial.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=156&Itemid=243

Bion---Capa-site
http://www.primaveraeditorial.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=502&Itemid=292

A EDITORA CONVIDA PARA O LANÇAMENTO DE ETERNO XODÓ



Eterno Xodó: livro conta a trajetória de Neto,
ídolo do Corinthians e comentarista esportivo

ü Os paulistanos apaixonados por futebol, em especial os jovens na faixa
dos 30 anos, tiveram a oportunidade de ver nos campos um vituoso meia-esquerda que se imortalizou com a camisa 10 corinthiana. Ídolo dos tempos românticos do futebol brasileiro – e um dos comentaristas mais comentados da mídia esportiva contemporânea –, José Ferreira Neto é tema do livro “Eterno Xodó”,
dos jornalistas Renato Nalesso e Fabricio Bosio. Lançada pela Primavera Editorial, pelo selo EDU, a obra contará com sessão de autógrafos com a presença do ex-jogador Neto em 15 de dezembro, a partir das 18h30, no Frei Caneca Shopping (Rua Frei Caneca, 569 - piso 3).     


São Paulo, 5 de novembro de 2011 – O comentarista mais comentado da mídia esportiva do Brasil e ídolo dos tempos românticos do futebol, José Ferreira Neto é o protagonista do livro-reportagem Eterno Xodó, dos jornalistas Renato Nalesso e Fabricio Bosio. Na apresentação da obra, os autores resgatam a genialidade do jogador, considerado fora de série pela imprensa no início dos anos 1990; um ídolo de uma geração de craques, verdadeiros maestros da técnica, derrotados pelo pragmatismo da modernidade. Como jogagor, Neto ficou conhecido por dois momentos distintos: a glória da conquista do primeiro título brasileiro do Corinthians e a cusparada no árbrito José Aparecido de Oliveira, durante um clássico entre alvinegros e alviverdes no estádio do Morumbi, em 1991. Depois de pendurar as chuteiras, tornou-se um dos comentaristas esportivos mais polêmicos da atualidade – tão imprevísivel quanto o jogador que fora.

(...)Os paulistas apaixonados por futebol, sobretudo os jovens na faixa dos 30 anos, se acostumaram a ver um virtuoso jogador de futebol que desfilava pelos gramados brasileiros com uma perna esquerda mágica. Nascido na pequena Santo Antônio de Posse, no interior paulista, José Ferreira Neto retratou com autenticidade a arte de um gênio da bola. Se Rivellino deslumbrou o planeta nos anos 1970 com sua patada atômica, Neto imortalizou de uma vez por todas a camisa 10 corintiana. Para muitos, ele foi o último ídolo dos tempos românticos do futebol brasileiro. Ou seja, aquele jogador que falava o que pensava, fazia o que queria e extravasava emoções a todo instante. Os jornalistas esportivos que cobriram o auge da carreira de Neto costumam dizer que era impossível concluir o trabalho diário nos clubes sem entrevistar o imprevisível meia-esquerda. Ele frequentemente proporcionava furos jornalísticos.”

Sinceridade e firmeza de opinião
Com extremo bom humor e um certo tom provocativo, o livro é apresentado pelo jornalista Milton Neves, que relembra o primeiro contato que teve com Neto e ressalta que não enxerga ninguém do meio com tamanha sinceridade e firmeza de opinião.

(...) “Conheci pessoalmente o personagem desta obra no dia 17 de dezembro de 1990. Naquela ocasião, tratava-se do jogador de futebol mais badalado do País. Eu, um apresentador de rádio ainda em fase de consolidação, nunca acreditei que o camisa 10 do Corinthians, que acabara de ser campeão brasileiro no dia anterior, cumpriria a promessa de comparecer ao evento do meu único anunciante do programa Terceiro Tempo, na ocasião na Jovem Pan. Pois ele foi, sem ganhar um tostão. A presença do ídolo literalmente parou a loja da rua Barão de Limeira, no centro de São Paulo.  Foram quase três horas atendendo o público. Na maior paciência e humildade possível. Vendo de longe, ainda demorou para cair minha ficha. Mas ali aquele rapaz dava uma pequena retribuição ao dom que Deus lhe deu. Cenas que até hoje não saem da minha memória.”

Ricamente ilustrado por fotos da história, o livro é pontuado por depoimentos de familiares, amigos, jogadores e desafetos como o árbitro José Aparecido de Oliveira; além de dar voz, é claro, ao homenageado. 

(…) “Dizem que sou polêmico, irreverente e bocudo. Estão certos. Não nasci com o rabo preso a ninguém. Sempre falei o que penso e vou continuar assim. Nunca quis ser exemplo pra ninguém. Já fiz muita besteira por aí, mas sei também que acertei bastante. Tenho em casa minha mulher e meus filhos. E é só pra eles que devo alguma satisfação. Precisa ter coragem para ser comentarista esportivo. Eu não tenho medo de fazer uma crítica a quem quer que seja. Amigo ou não. Já falei mal de parceiro e elogiei traíra. Não estou preocupado com o que vão falar de mim. Passei minha vida toda atrás do sonho de ser jogador profissional e ter meu próprio dinheiro. Consegui com a garra e a raça que meus pais me ensinaram lá em Santo Antônio de Posse. Fui à luta, perdi algumas batalhas, ganhei outras, mas segui sempre com dignidade. Tenho fãs. Me orgulho muito de cada um deles. Assim como tenho consciência da importância de meus inimigos. Afinal um homem que não odeia, não ama. Quem não é odiado, não é amado. Ficar no muro nunca foi meu forte. Prefiro perder lutando a empatar apático. Não estudei em grandes colégios ou cursei faculdades, o que aprendi e continuo aprendendo é que precisamos dar ouvidos aos sábios, ter paciência com os falsos sábios, respeitar os burros e nunca contrariar os desprovidos de inteligência. Sou o Neto que acertou e errou. Que fez chorar e chorou. Que nunca escondeu o amor pelo Corinthians e mesmo assim tenta trabalhar de forma isenta e respeitosa. Mesmo que alguns hipócritas não acreditem. Aprendo com a dor, por isso valorizo cada conquista. Esse livro é mais uma delas.”

AUTORES

Renato Nalesso
Profissional de mídia desde 1999, Renato Nalesso é pós-graduado em jornalismo social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e atuou em emissoras de tevê como Bandeirantes, Globo e Record. O profissional exerceu por três anos a função de assessor de comunicação do Guarani de Campinas, no qual participou ativamente da cobertura dos eventos de elite do futebol brasileiro. Desde 2008 é editor de texto do Jogo Aberto, programa esportivo de maior audiência da TV Bandeirantes.

Fabricio Bosio
Formado em jornalismo pelas FIAM, Fabricio Bosio atua desde 1999 como jornalista esportivo. O profissional iniciou a carreira na Rádio Bandeirantes como produtor e atuou, ainda, como editor e repórter dos principais jornais esportivos da casa. Em 2002 foi contratado pela TV Record como editor de texto de programas esportivos. Participou da cobertura dos Jogos Pan-americanos do Rio de Janeiro, em 2007, e de Guadalajara (México) em 2011. Nos anos de 2005 e 2006 foi responsável pelas reportagens do programa Golaço da Rede Mulher, apresentado pelos jornalistas Milton Neves e Renata Fan.


TRECHOS DO LIVRO

Página 35
(…) “Com apenas 14 anos Netinho começava a ganhar maturidade. Aliás,
deixava de ser o Netinho da Posse para se transformar no Neto do Guarani. Já
morava sozinho em Campinas. Mas continuava o mesmo moleque rebelde
e respondão de antes. Aquele período foi fundamental para que o rapaz
criasse responsabilidade. Todos os dias era o primeiro a se levantar e se arrumar
para os treinamentos. Dividia o alojamento com dezenas de meninos.
Entre eles, alguns que ganhariam destaque mais tarde no futebol, como o
lateral Gil Baiano, o goleiro Zetti, o meia Vágner Mancini e o atacante Evair.”

Página 55
(…) “Aos 20 anos, depois de cumprir o contrato rigorosamente com o Bangu,
Neto se apresentava ao São Paulo. Se já pesava sobre o jovem a responsabilidade
de sustentar toda a família, a pressão aumentaria por partir para um
clube de grande projeção nacional. Era um desafio. Muitos especialistas não
acreditavam mais no sucesso de Neto. Diziam que o comportamento rebelde
lhe traria graves consequências. Mas, até então, seu talento com a bola
nos pés era indiscutível.”

Página 89
(…) “A saída do Palestra Itália acabou sendo muito dolorosa. Mas, por alguma
razão, o menino de Santo Antônio de Posse acreditou que aquele poderia
ser o momento exato de levantar a cabeça e seguir em frente. E foi em uma
noite chuvosa de julho de 1989 que Neto entrou em seu Fiat Uno amarelo
e, chorando muito, seguiu pela rua Turiassu rumo ao Parque São Jorge.
Chegando lá, enxugou o rosto e entrou na sala do presidente Vicente
Matheus. A intenção era acertar as bases contratuais com o clube alvinegro.
Mas como já era tarde e o contrato não tinha ficado pronto, o jogador fechou
um acordo verbal com o dirigente. Só tinha uma exigência: receber o
mesmo salário dos tempos de Palmeiras. Matheus concordou e começava
ali a trajetória de um dos maiores ídolos do centenário Sport Club Corinthians
Paulista.”

Página 106
(…) “O Tricolor tinha no elenco jogadores consagrados como Antônio
Carlos, Cafu, Zetti e Raí. Só para variar, o Timão faria da raça sua grande
arma para superar a técnica adversária. O árbitro José Aparecido de Oliveira,
que mais tarde teria uma história à parte com o astro corinthiano, apitou
o início da partida. As torcidas empurravam os times para o ataque. A grande
arma do Timão era a bola parada de Neto. E, logo no primeiro lance
desse fundamento, bola com efeito na área. Desvio de joelho de Wilson
Mano para o gol. O restante do jogo foi um show de desarmes do volante
Márcio e do zagueiro Marcelo. Deu tempo ainda do craque da equipe perder
dois gols cara a cara com Zetti. A vitória magra revertia a vantagem do
empate para o segundo jogo.”

Página 112
(…) “O Brasileirão estava chegando ao fim. Mas ainda teria tempo para
alguns gols que marcariam a carreira de Neto. O primeiro saiu contra o
Flamengo do goleiro Gilmar, em pleno Maracanã. Em uma cobrança de
falta da intermediária, o craque encheu o pé e a bola fez um percurso
simplesmente impressionante. Em linha reta, entrou no ângulo. Sem chances
de defesa. Talvez um dos mais impressionantes lances desse fundamento.”

Página 129
(...) “O gol salvador do Xodó assegurou a vitória e aliviou o coração dos
torcedores fiéis. Para garantir a vaga na final bastava superar o Novorizontino
em casa. Com Neto suspenso, o Timão não bobeou e enfiou três a zero.
Final garantida contra o arquirrival Palmeiras.”

Página 171
(…) “Lidar com a responsabilidade de sustentar a família ainda garoto foi o menor
dos problemas de Neto. Viver um caso de amor e ódio com as torcidas dos
clubes em que jogava ele tirou de letra. A principal batalha do craque durante
a vida inteira foi contra a balança. A forte tendência genética à obesidade
fazia o jogador viver sob constantes privações alimentares. É verdade que
muitas vezes extrapolou a barreira, mas ele sofreu. E como sofreu. Principalmente
por constantemente ser visto e taxado como atleta gordo e relaxado.”

Páginas 203 e 204
(…) “Neto foi aos poucos se acostumando com a vida longe da bola. A jogada
agora era ser pai, marido em tempo integral e transportar valores agregados da época de criança. Tudo caminhava para que Neto voltasse a ser José. Mas a polêmica e a irreverência estavam no sangue. A bola que o deixou famoso bateu à porta. Na verdade, tocou o telefone. A produção do programa Cartão Verde, da TV Cultura, ligou convidando-o para uma participação especial. Fora da mídia, resolveu rever os amigos e apresentadores José Trajano, Juca Kfouri e Flávio Prado para explicar os motivos da aposentadoria precoce.”

Página 217
(…) “A televisão apareceu na vida de Neto. O menino de criação humilde, escolaridade baixa, de repente se transformou em um fenômeno da comunicação.
Tudo o que ele falava repercutia nos clubes, nas redes sociais e nos bastidores
do futebol. As palavras começavam a expor a personalidade do
ex-jogador. Comentários mais apimentados já não eram engolidos por estrelas
do esporte, as informações dadas em primeira mão menos ainda por
alguns jornalistas. Neto atraía a notícia, um ímã de furos jornalísticos. Todos
o procuravam para dizer que aquele jogador seria contratado ou que o
outro brigou com não sei quem.”

Página 226
(…) “Meu sonho é ser presidente do Corinthians. Às vezes vendo tudo que
gira em torno do cargo, não me sinto preparado. Mas vou tentar me
especializar e me cercar das pessoas certas para conseguir exercer a
função. A verdade é que minha vontade é tentar retribuir um pouco
tudo o que a instituição fez por mim. Se não fosse o Corinthians eu
não seria ninguém. Espero que aconteça antes, claro, mas imagina
que lindo seria o clube conseguir a Libertadores em minhas mãos.
Incrível! É um sonho que tenho. (Neto)”


FICHA TÉCNICA

Categoria: Reportagem
Formato: 17,5 x 22,5
Páginas: 348
Acabamento: brochura
ISBN:  978-85- 61977- 33-7
Preço sugerido: R$ 45,00




MAIS INFORMAÇÕES PARA A IMPRENSA:
Printec Comunicação printeccomunicacao.com.br
Vanessa Giacometti de Godoy vanessa.godoy@printeccomunicacao.com.br
Tel:  (11) 5182-1806 // Fax: (11) 5183-2233





Conheça o catálogo da Editora acessado >>aqui<<




Em breve estarei trazendo algumas surpresas da nova parceira, enquanto isso aproveite e acompanhe as redes sociais da Primavera Editorial.


1 comentários:

Fabrica Dos Convites dom dez 11, 04:10:00 PM  

Parabéns pela parceria. Bjs, Rose.

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout por Flavinha Garota de Aquario

Design by Emporium Digital