O Que Ensinamos Aos Nossos Filhos?



Ele estava sentado na sala, absorto na matemática cruel das dívidas empilhadas em forma de papéis sobre a mesa. A calculadora metralhava números ferozes ao lado de  uma xícara de café já frio. A pergunta dolorosa martelava em sua mente como um mantra: “Como vou me livrar disso? Como vou me livrar disso? Como vou me livrar disso?”.

_ Pai, o que é felicidade? a voz da filha que brincava com uma boneca de pano sentada ao lado da mesa, no chão da sala, por um momento o livrou daquele pesadelo.

            _ Felicidade é quando você sorri, quando você está contente, quando você está fazendo o que gosta, quando coisas boas acontecem com você, quando você conquista o que deseja...

            _ E a tristeza?

            _ Tristeza é o contrário disso tudo, minha filha. É quando você chora, quando está chateada, quando tem que fazer algo por obrigação, quando coisas ruins acontecem com você, quando você se sente frustrada por não atingir um objetivo...

            A menininha de quatro anos coçou os cabelinhos cacheados, mexeu nos botões de seu vestidinho cor-de-rosa, ajeitou a boneca que agora dormia sobre uma almofada e depois colocou as mãozinhas no queixo, cismarenta. Observou o pai que retornara ao seu mundo cruel, golpeando a calculadora com os dedos, como se ela fosse culpada por tantos problemas.

Levantou-se e abraçou o pai ternamente, dando-lhe um beijo demorado no rosto, alisando-lhe a barba.

O pai sorriu retribuindo o carinho e voltou a golpear a calculadora, com o mantra buzinando impiedoso em sua mente: “Como vou me livrar disso? Como vou me livrar disso? Como vou me livrar disso?”.

A menininha voltou a brincar com sua boneca, com os olhos atentos na tensão que a fisionomia do pai expressava. De repente quebrou o silêncio que gritava naquela sala, com a voz miúda, de criança que não compreende as coisas:

_ Pai...

_ Sim, minha filha...

_ Se estamos tristes, como ficamos alegres?

O pai estava prestes a perder a paciência. Respirou fundo e olhou para a filha, dizendo em tom de quem quer colocar a conversa por encerrada:

_ Ficamos alegres quando coisas boas começam a acontecer...

A filha não se deu por vencida:

_ Você está triste?

_Não, minha filha! Estou preocupado, tentando resolver algumas coisinhas aqui. Só isso, tudo bem?

_ Preocupado é bom?

Ele largou a calculadora, virando-se para a filha que, sentada no chão da sala segurando sua boneca, penetrava-lhe a alma com seu olhar inocente. Suspirou e respondeu:

_ Não, minha filha. Não é bom. Mas eu preciso resolver essas coisas aqui. Vá brincar com sua boneca...

_ Pai, eu não entendo. Se não é bom, é ruim. E ruim vem de triste...

_ Tudo bem, minha filha. Seu pai está triste! disse ele, encerrando o assunto e voltando-se definitivamente aos seus papéis.

A menininha pegou a boneca de pano e se levantou. Lembrou do carinho que, há poucos minutos, havia oferecido ao pai. “Ficamos alegres quando coisas boas começam a acontecer” a frase que o pai havia pronunciado feria-lhe a alminha. Jogou a boneca sem cuidados em cima do sofá, dizendo em tom severo:

_ Não, Margarida! Carinho não cura tristeza!

O pai, mergulhado em seu universo cruel, não ouviu a lição amarga que havia acabado de ensinar à menininha linda de cabelinhos cacheados que usava um vestidinho cor-de-rosa.

Libério Lara



Olá Pessoal,

É com grande alegria que inicio hoje, a primeira postagem do meu querido autor/parceiro/amigo Libério Lara que nos faz refletir sobre O Que Ensinamos Aos Nossos Filhos?

Os que ainda não o conhecem podem saber um pouquinho mais sobre esse excelente escritor no post de apresentação acessando  http://www.apaixonadaporlivros.com/2011/06/o-menino-que-gostava-de-escrever.html

Gostou?! Gostaríamos muito de saber a sua opinião!

7 comentários:

Adriana Brazil qui. jun. 30, 05:47:00 PM  

UAU!
No dia que faço uma postagem também falando sobre filhos, vejo essa bela postagem do nosso amigo Libério.
Vcs dois como sempre me surpreendendo, ele com sua escrita e vc Marcinha com seu S2 gigante!

Parabéns pra vcs dois!
bjus

Adriana Brazil qui. jun. 30, 05:49:00 PM  

Esqueci, quase que dava para criar um link, com essa postagem, e o que escrevi hoje, sobre: Se eu pudesse voltar o tempo... trabalharia menos para lhes dar o mundo e me esforçaria muito mais para lhes dar o meu mundo...

c8ris qui. jun. 30, 05:56:00 PM  

parabéns Liberio ate eu que ñ tenho filhos fico pensando no que passo para as crianças ao meu redor

Erica Lopes sex. jul. 01, 08:23:00 AM  

Lindo, lindo e lindo esse texto!
Parabéns ao autor e a você também Má!
Ainda não tenho filhos, mas é super importante compreender a maneira que passamos as coisas para eles. Até porque, isso tem um grande reflexo na cabeçinhas deles!

Beijokas

Marcia Paiva sex. jul. 01, 09:03:00 AM  

Lindo conto Libério!O estresse do dia a dia, nos faz maltratar- inconscientemente - a quem mais nos ama.
Nossos filhos, são nossa vida e a paciência é um dom, que com os dias atuais a maioria das pessoas não tem.
Ele nos faz refletir, nos corrige e nos incentiva a mudar nossas atitudes.Parabéns Marcia e Libério. Beijos :)

fabdosconvites qua. jul. 20, 09:40:00 AM  

Uma bela postagem com um tema melhor ainda. Adorei o texto, parabéns ao autor. bjs, Rose.

Anônimo,  qui. out. 13, 05:30:00 PM  

Parabéns Libério, pelo ótimo trabalho!
É com muito prazer que começo a ler suas crônicas hoje :)
Márcia, nós leitores ficamos agradecidos com a presença e espaço que você separou para o autor no seu cantinho!
Adorei, e o que a gente fala, os pequeninos pegam rápido mesmo né!
Os filhos são sempre o futuro do mundo, é necessário toda a preocupação com o que soltamos e ensinamos à eles.

beijo,
Aninha - Ofício dos Livros

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Giro pelo Mundo

free counters

Quem espia

Comentários.

Campanhas Permanentes!

Alerta!

Protected by Copyscape Duplicate Content Check

Layout por Flavinha Garota de Aquario

Design by Emporium Digital