Por favor, não deixem a dor regressar - Darlan Hayek Soares

 Por favor, não deixem a dor regressar conta a história de Joel, operário de uma fábrica de tijolos onde o pai passou toda a vida sem nada conseguir.
Após perder a mãe, vítima de uma doença incurável, ainda em prantos é obrigado pelo patrão a fazer uma viagem à capital. Chegando lá ele se depara com uma realidade que pensava estar extinta: um pequeno grupo que compartilhava as idéias nazistas e idolatrava Adolf Hitler, mantendo secretamente um pequeno campo de concentração.
As vítimas principais eram estrangeiros e crianças de um orfanato local. A história retrata a repetição de todo o sofrimento causado pelo holocausto e mostra a luta de pessoas comuns, como Joel, para impedir que a dor desse passado tão obscuro possa retornar em nossos dias.

Um jeito simples e tocante de retratar a dor causada pelo preconceito.

Um livro que fará o leitor meditar por muito tempo.

Meninas(os),

Recebi uma mensagem do Darlan pelo Skoob sendo convidada a conhecer seu livro.

Fui dar uma espiadinha no seu blog e além de ler a sinopse que gostei muito (principalmente para mim por sair um pouco dos novos lançamentos: vampiros, anjos, paranormalidade, etc…) também chamou minha atenção sua página Livros do Autor…ele tem três histórias disponibilizadas gratuitamente para leitura que são totalmente diferentes entre si o que mostra a diversidade do Darlan.

Então resolvi convidá-lo a participar de uma entrevista que gentilemente aceitou responder para apresentá-lo a vocês onde conta um pouquinho mais sobre ele.

1. Quem é Darlan Hayek Soares?
Escritor mineiro, 28 anos, romancista, apaixonado por livros e palavras.

2. Quando surgiu a idéia de escrever?
Comecei a escrever bem cedo. Mas só publiquei quando tive certeza de que havia adquirido uma maturidade literária.

3. O que é ser escritor para você?
É maravilhoso. É poder atingir o coração de pessoas através do que você tem de melhor a oferecer.

4. Como foi a idéia de criar Por favor, não deixem a dor regressar depois de: Um inverno me esfria, Depois da última lágrima e Chapeuzinho de neve?

Depois de dois romances escritos em primeira pessoa, vi que estava pronto para uma narrativa. A idéia surgiu quando pesquisando na internet, encontrei matérias relacionadas a grupos que ainda seguem as mesmas idéias de Hitler. Li livros sobre nazismo e todos eram muito fortes. Queria escrever algo que retratasse o tema, mas, que fosse de leitura leve e agradável. Acho que consegui chegar nesse ponto. Com tato e de forma sutil, o livro consegue fazer os leitores pensarem a respeito do assunto e como o personagem principal do livro, lutarem para não deixarem essa dor do passado regressar.

5. Fale um pouco sobre eles?
Um inverno me esfria, é o primeiro romance, escrito em forma de frases curtas, traz uma narrativa eletrizante da vida de Bernardo, que perdido em um café da cidade encontra a mulher que ama com outra pessoa que se veste como ele. Daí em diante, ele começa a encontrar várias pessoas que se vestem e agem como se fosse ele. Beirando a insanidade do personagem, o livro desafia o leitor a descobrir o que está acontecendo com Bernardo.

Depois da última lágrima, caminha em direção ao drama. Mostra a história de um deficiente visual que se apaixona pela voz de uma menina. O narrador participa da história que toma caminhos trágicos e dramáticos para o personagem principal. Até onde um deficiente visual poderia chegar por amor? O livro mostra a realidade da vida que não escolhe com quem ser cruel...

Chapeuzinho de neve é uma brincadeira. Sempre gostei muito de crianças e resolvi escrever algo para elas. Esse nunca foi publicado. Apenas disponibilizei para download gratuito na internet. Já atingiu mais de 5000 visitas em pouco mais de três meses. Fiz uma brincadeira misturando todos os contos de fadas, e, esse se tornou um novo conto de fadas, mas em forma de uma divertida comédia. Com príncipe, princesas, e em final feliz, como todo conto de fadas.

6. Como foi o processo para publicação do livro?
Depois de pronto, comecei a batalha enfrentada por todo escritor. Enviei o original a várias editoras. Duas delas me responderam e me ofereceram contrato de publicação. Optei por aquela que me ofereceu melhores condições, inclusive atendendo um pedido meu de que o livro chegasse ao publico com um preço baixo. Daí pra frente, foi só trabalhar junto com a equipe até que o livro estivesse pronto.

7. Como você vê hoje o mercado editorial brasileiro? Você acredita que as divulgações estão despertando o interesse dos leitores?
Sim. A divulgação é muito importante. Já encontrei muita coisa boa por aí, em pequenas e médias editoras e livrarias. Infelizmente os novos autores têm que divulgar na maioria das vezes por conta própria. As editoras e livrarias muitas vezes pensam no lucro imediato e investem apenas em traduções, não dando espaço para os talentos nacionais. O leitor brasileiro deveria cobrar mais das editoras o lançamento de novos títulos e autores nacionais, pois tem muita gente boa escondida do publico ainda.

8. Como é receber críticas e/ou elogios do seu livro?
Maravilhoso. Primeiro por você saber que alguém leu o que você escreveu. Afinal, eu escrevo para que as pessoas leiam. E aceito de bom grado as críticas, porque me fazem melhorar muito. Quanto aos elogios servem de força para continuar lutando nesse mercado tão difícil que é o da literatura.

9. Como é o processo de criação dos seus personagens?
Sempre que penso em um tema, imagino o livro virando filme. Daí, vejo-me na pele do personagem principal. É como um ator que tem que viver um personagem no cinema. Imagino-me vivendo cada situação. Procuro entender a personalidade de cada personagem e como ele reagiria em cada situação. È um processo muito interessante.

10. Já tem novos projetos para o futuro?
Sim. Estou atualmente escrevendo o próximo romance que será intitulado “O menino que colecionava sonhos”. Contarei o dia a dia de um menino de oito anos, pobre, de família desestruturada que como forma de fugir de sua realidade, começa a viver os sonhos das outras pessoas e ser feliz com o sucesso dos outros. É um romance voltado para o drama e o crescimento pessoal. Alguns amigos já estão lendo os rascunhos e em breve estará pronto. Aí começa a batalha para publicação.

É importante enfatizar as palavras “As editoras e livrarias muitas vezes pensam no lucro imediato e investem apenas em traduções, não dando espaço para os talentos nacionais. O leitor brasileiro deveria cobrar mais das editoras o lançamento de novos títulos e autores nacionais, pois tem muita gente boa escondida do publico ainda.

Essa mudança realmente deveria partir de uma ação conjunta entre escritor/leitor, seria um grande passo para alterar esse quadro.

Por favor, não deixem a dor regressar
Editora: ArtExpressa
Categoria: Romance
Formato: 15 x 21 cm - 160 páginas,
Pode ser adquirido através do site http://www.artexpressaeditora.com.br/produtos.asp?produto=98

Também poderam baixar as três histórias Um inverno me esfria, Depois da última lágrima e Chapeuzinho de neve  através do link http://darlanhayeksoares.blogspot.com/p/livros-do-autor.html

E o primeiro capitulo do livro Por favor, não deixem a dor regressar no link http://porfavor-darlanhayek.blogspot.com/

E outras informações sobre o autor no seu blog http://darlanhayeksoares.blogspot.com/

Espero que prestigiem “nosso” mais novo autor brasileiro.

bjs.

5 comentários:

Nanda Meireles sáb out 09, 08:26:00 AM  

Adorei!
Me emocionei com a breve sinopse de Depois da Última Lágrima.
Por favor, não deixe a dor regressar parece ser absolutamente fantástico.
Desejo muito sucesso ao autor.
Parabéns Marcinha, a entrevista ficou fantástica.
Bjs

Guilherme bressan sáb out 09, 12:35:00 PM  

Também adorei a entrevista, e também fui convidado pelo autor a conheçer o seu livro, e aparentemente parece ser interessante, e como você mesmo disse o livro é interessante porque sai do "ritmo dos novos lançamentos". Bom, está na minha lista para leitura!

carinemarinho1 sex jan 28, 10:32:00 PM  

Por favor não deixem a dor regressar- Já passei do quinto capitulo e estou gostando muito,a curiosidade aumenta cada vez que leio...rs

Estou tendo uma leitura muito agradável! Após concluir a leitura deixarei outro comentário.

Parabéns Darlan pelo Dom das palavras.
Carine Marinho

Marcia sex jan 28, 10:49:00 PM  

Oi, Carine

Gostei muito do seu comentário, aguardo seu retorno.

bj.

carinemarinho1 qui fev 10, 10:29:00 PM  

Terminei de ler o livro.
Como diz a canção: " Na vida temos que entender que um nasce pra sofrer enquanto o outro rir"
Sabemos que essa não é a vontade de Deus,mas vivemos num mundo cruel e por enguanto todos nós estamos sujeitos a passar por isso.
Mas nem sempre os que sorriem deixam boas lembranças ou exemplo de vida a ser seguido.Já os que sofreram,podem nos deixar grandes exemplos de persistência,coragem e fé assim como o personagem Joel.

Gostei muito,parabéns mais uma vez!
Carine Marinho

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Layout por Flavinha Garota de Aquario

Design by Emporium Digital